quarta-feira, 30 de março de 2011

♥Poesia em Off♥


Tradução de Here With Me da Banda Dido

Aqui comigo
Eu não te ouvi partir
Quero saber como eu ainda estou aqui
Eu não quero mover nada, isso pode mudar minha memória,
Oh, eu sou o que eu sou, farei o que eu quero
Mas não posso esconder

Não irei, eu não dormirei, não posso respirar
Até você repousar aqui comigo
Eu não partirei, não posso esconder, e eu não posso ser
Até você repousar aqui comigo

Eu não quero chamar meus amigos, eles devem me acordar
Desse sonho e eu não quero deixar essa cama
Arriscando esquecer tudo que aconteceu

Oh, eu sou o que sou, farei o que eu quero, mas não posso esconder

Não irei, eu não dormirei, não posso respirar
Até você repousar aqui comigo
Eu não partirei, não posso esconder, e eu não posso ser
Até você repousar aqui...

Não irei, eu não dormirei, não posso respirar
Até você repousar aqui comigo
Eu não partirei, não posso esconder, e eu não posso ser
Até você repousar aqui comigo

Oh, eu sou o que sou, farei o que eu quero, mas não posso esconder

Não irei, eu não dormirei, não posso respirar
Até você repousar aqui comigo
Eu não partirei, não posso esconder, e eu não posso ser
Até você repousar aqui...

Não irei, eu não dormirei, não posso respirar
Até você repousar aqui comigo
Eu não partirei, não posso esconder, e eu não posso ser
Até você repousar aqui comigo


Essa é a música da semana! Ouço-a mais de mil vezes, tentando gravar os acordes, a letra, a melodia... E a cada nota, tento desesperadamente esquecer todas lembranças que tenho.
A poesia está ausente em mim, estou meio em off no momento!
Então peço aos amigos e parceiros do blog do Anjo, que me desculpem. Mas em breve retornarei a escrever, poetizar...
Para quem não conhece a música, espero que goste! Tanto a melodia quanto a letra, são maravilhosas.
Beijinhos, bye

sábado, 26 de março de 2011

§Odeio Você§

Dez coisas que odeio em você
Odeio o modo que fala comigo
E como corta o cabelo
Odeio como dirige o meu carro
E odeio seu desmazelo
Odeio suas enormes botas de combate
E como consegue ler a minha mente
Eu odeio tanto isso em você
Que até me sinto doente
Eu odeio como está sempre certo
E odeio quando você mente
Eu odeio quando me faz rir muito
Mais quando me faz chorar
Eu odeio quando não está por perto
E o fato de não me ligar
Mas eu odeio principalmente
Não conseguir te odiar, nem um pouco
Nem mesmo por um segundo
Nem mesmo só por te odiar.

Do filme Dez coisas que odeio em você (1999)
De Gil Junger com Heath Ledger e Julia Stiles



Hoje não vou poetizar, não vou fazer rimas ou me deixar encantar pelas palavras.
 Hoje quero apenas sentir as lágrimas rolarem pela minha face, deixar a agonia e a dor entrar o mais fundo quanto é possível em meu coração.
Gravar em minha mémoria, em minha alma, em minha carne o quanto o amor pode ferir, matar e aleijar um coração.
Não me importa o quão azul o céu esteja ou como o canto dos passáros é magnífico... Porque quero apenas sentir a escuridão em mim.
 Sentir e deixar que ela me tome em teus braços até que tudo passe. Quero fechar os meus olhos e fingir que ao abri-lós tudo estará diferente. Com sorte não estarei mais aqui!
                                    Anita dos Anjos  

“Eu que me agüente comigo e com os comigos de mim.”
                                Fernando Pessoa(1888-1935)


♥ ♥ ♥ ♥

sexta-feira, 25 de março de 2011

Brincadeira do Top 10



1-    Liste 10 coisas que você deseja e quer fazer antes de morrer
2-   Indique o Top 10 para dez blogs
۩۩۩۩
Minha lista:
1-ter filhos
2-aprender a tocar violão
3-beijar na chuva
4-pegar uma onda
5-pescar
6-fazer amor num barco em alto mar
7-plantar uma árvore
8-ver a neve
9-mergulhar no fundo do mar
10-salvar uma vida
۩۩۩۩
Blogs Indicados:


Angel-cleciaflordecacto

Jônatas-poesiadescartavel
Abner-abnerlmesmo
Raquel-historiasderaquel
Jane-artesdosanjos
Natasha-insannidad
Val-armazemdapoesia
Nádia-docecomoachuva
Garoto do blog-scorpion-kiss
Filipe-umcontoemeio

quarta-feira, 23 de março de 2011

__CARTAS AO MAR__




C. F., 24 de dezembro de 2003.
...
Tenho pensado nos teus olhos...
Que coração será que você está amando?
Não suporto saber que há essa distância,
Nem quero pensar que beija outros lábios e que suas mãos enlaçam outras mãos.
Sinto meu mundo se perder a todo instante
Pois cada vez que você vai embora,
Minha alma morre um pouco e não consigo respirar.
Talvez se você pudesse me perdoar, eu não me sentiria tão infeliz
Pois quando tudo parecia perfeito, o sonho de estarmos juntos se perdeu.
E eu jamais quis entender, mas hoje sei que errei;
Não por ter te amado sempre e a toda hora, mas por ter deixado que o tempo passasse
E o nosso amor adormecesse.
Me perdoe...Me ame! Por favor, sem desejar ir embora...
Diga que se importa, que também sente medo. Medo do tempo!
Mesmo que não estejamos juntos nesse momento ou em algum lugar em nossos pensamentos,
Desejo mais uma vez poder estar com você, sentir seu coração bater, ouvir o teu sorriso...
Talvez eu não o tenha em meus braços mais uma vez e não possa sentir seu beijo doce ou sua respiração suave ecoando em meu ouvido...
Mas sinto que estaremos sempre unidos, mesmo que apenas em meu coração.
Os anos passam e a vida não espera que sejamos felizes.
Os sonhos acabam e o mundo perde a cor.
Minha maior lamentação náo é que o tempo esteja passando,
Mas que quanto mais o tempo passa, mais você se afasta... De minha alma, dos meus olhos, da minha vida...
E então o mundo morre e eu...
Eu morro também.
                       Do seu Anjo


Soneto de separação
De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.
                      Vinicius de Moraes

Estou lendo Beijada por um anjo de Elizabeth Chandler, já estou no livro 2, é uma história de amor envolvente. Ivy & Tristan se apaixonam, ela crê nos anjos e ele não. Tudo muda quando o destino resolve separá-los...

segunda-feira, 21 de março de 2011

__CARTAS AO MAR__



C. F., 19 de Novembro de 2003.
...
Eu sei que os anos vão passar e a saudade vai permanecer.
Mesmo que não saibam que meu amor pertence à você,
Mesmo que eu diga que não sinto medo de estar sozinha,
Mesmo que a morte chegue sem avisar.
Tudo que for feito ou que venha a acontecer,
Nada vai mudar o sentimento, nem matar a ilusão de que um dia estaremos juntos.
Me sinto só e sem caminho...
Pareço mesmo um barco em alto mar que vai contra mão.
Sinto sua imagem mais distante e menos vivo na minha mente o teu sorriso.
Não deixe que eu te esqueça,
Não deixe que meu amor se perca em lembranças
Que jamais chegaram à você.
De todos os momentos que passo à tua procura,
Sinto que o perco a cada segundo e a cada lágrima que corre sobre minha face,
Sinto que morre o meu coração.
Me perdoe mais uma vez por tudo, porque não consigo aceitar.
Não consigo esquecer e seguir adiante,
Não sem você!
Porque você foi embora?
Tenho que confessar...
Pois se amanhã, eu tiver que partir, você saberá...
Que onde quer que eu esteja meu coração estará com você
E minha alma estará à sua procura eternamente.

                                 Do seu Anjo


Tristeza de escrever
Cada palavra é uma borboleta morta
Espetada na página,
Por isso a palavra escrita é sempre triste.
                 Mário Quintana

♥_

Está chovendo, o mar deve estar maravilhoso, gostaria de ir até lá e me deixar levar pelas ondas, sentir a areia branca molhada sob meus pés e o gosto do sal em minha boca, mas prefiro me manter recolhida, escondida dos olhos do mundo. Esquecida! Apenas esquecida...



sábado, 19 de março de 2011

__CARTAS AO MAR__



C. F., 10 de novembro de 2003.
        ...
A cada dia que passa e estou longe de você...
É como uma manhã de verão sem sol,
É como se eu não existisse ou não soubesse respirar.
Não sinto o perfume das flores, nem a brisa do mar.
Me perdi para sempre sem o teu sorriso
E não sei viver sem o teu olhar.
Posso mentir para todos e dizer que te esqueci,
Posso até omitir e fingir que seu desprezo não me faz sofrer.
Mas não posso calar meu coração
Ou dizer que tua presença não me faz falta.
Peço todos os dias à Deus para que eu consiga esquecer,
Peço que eu consiga sobreviver sem você.
Sem as tuas mãos me tocando,
Sem a tua boca,
Sem o amor que jamais chegou...
Se você pudesse me libertar, agradeceria;
Mas sinto que não vou conseguir acordar sem me perguntar por você.
Que jamais vou deixar de sentir sua presença nos cantos da casa
Ou ouvir o teu sorriso.
Me perdoe mais uma vez por tudo ser assim e não ser diferente!
Tudo que desejo, mesmo sabendo que não devo desejar,
É que o tempo passe e eu consiga sobreviver a solidão
Pois com teu adeus não quero viver;
Por favor siga comigo no coração.
E onde quer que eu esteja
Minha alma estará com você eternamente...
                       Do seu Anjo


۩Palavras no mar۩

Escrita nas ondas
A palavra Encanto
Balança os náufragos,
Embala os suicidas.
Lá dentro, os navios
São algas e pedras
Em total olvido.
Há também tesouros
Que se derramaram
E cartas de amor
Circulando frias
Por entre medusas.
Verdes solidões,
Merencórios prantos,
Queixumes de outrora,
Tudo passa rápido
E os peixes devoram
E a memória apaga
E somente um palor
De lua embruxada
Fica pervagando
No mar condenado.
O último hipocampo
Deixa-se prender
Num receptáculo
De coral e lágrimas
_do oceano Atlântico
Ou de tua boca,
Triste por acaso,
Por demais amarga.

A palavra Encanto
Recolhe-se ao livro,
Entre mil palavras
Inertes à espera.
                               Carlos Drummond de Andrade


✩✩✩◯✩✩✩


Quero agradecer à todos pelos comentários ao Conto e visitas carinhosas ao Blog! É importante pra mim testar minha capacidade de escrever, já que quando escrevo me sinto viva, me sinto parte do mundo! Porque escrever é uma extensão do que eu sou! Compartilhar o que sou me faz querer seguir em frente, pois alguém me enxerga, alguém me ouve! Eu existo!
Reparem na lua hoje, pois durante este ciclo ela estará mais maravilhosa que nunca...
Um beijo e abraço à todos!

quinta-feira, 17 de março de 2011

Conto ๑۩FINAL۩๑

Ela passou os braços em torno de seu pescoço, seguiram em passos lentos pelo corredor; ele a fitava. Seus grandes olhos castanho-mel o encaravam, intensos e ao mesmo tempo serenos.
O som da chuva, das ondas do mar... Quebrava o silêncio.
O quarto estava iluminado pela luz que os vidros da janela filtravam, gotas de chuva corriam sobre eles. O vento suavemente fazendo canção com os cristais pendurados próximos à janela.
A cama estava parcialmente desarrumada, como se alguém houvesse “tentado” dormir ali. Ele a pousou sobre as cobertas, sentia as roupas úmidas entre ambos.
Quando ela o soltou, ele recuou para contempla-lá, como se ela fosse uma pintura antiga ou mesmo um anjo.
Sentou-se ao lado dela e suas mãos começaram a tocar levemente a pele macia e alva de seu braço.
Ela apenas o olhava, sua respiração ofegante, cansada. Quando os dedos dele roçaram seu ombro semi-nú, ela estremeceu, como se sentisse frio, mas todo seu corpo estava em chamas.
Ele se inclinou e sem demorar, a beijou na curva do pescoço, ao recuar, percebeu que ela o encarava séria. Uma expressão meio aborrecida estava em seu rosto.
Bruscamente ela disse:
_ Porque demorou tanto?
Ele sorriu levemente, os olhos cheios de amor e felicidade. Ele havia estranhado seu silêncio, pois ela sempre fazia tantas perguntas. Isso era uma parte da personalidade dela que costumava deixa-ló desconfortável, mas que acabou cativando-o. Perguntas do tipo: “_O que você sente quando me beija?”, “_Que tipo de coisas quer fazer antes de morrer?” ou “_Você pensava em mim, quando estava longe?”
O sorriso dele cresceu e olhando profundamente pra ela, apenas respondeu:
_Me desculpa, foi o trânsito!
Ela permaneceu séria por alguns instantes, mas seus olhos se iluminaram e retribuindo o sorriso, revirou os olhos, fazendo uma careta.
Ambos riram.
_Vem aqui!- Ela o puxou pela gola da camisa e ao beijá-lo, ela sentiu que a vida voltava a ter sentido enfim.
Porque estavam juntos novamente.  
                   §Não é o fim, mas apenas o recomeço§

Por Anita dos Anjos



“O homem não morre quando deixa de viver,
 O homem morre quando deixa de amar.”
          Charles Chaplin


Espero que tenham apreciado o Conto, muito obrigado pelos comentários carinhosos e construtivos! Um grande beijo à todos...


segunda-feira, 14 de março de 2011

Conto ๑۩PARTE II۩๑

Mar em mim

Enquanto seus corações batiam descompassados, enquanto o som do mundo ficara mudo; a chuva os envolveu e aquele beijo cheio de saudade e amor os consumiu.
Os segundos passaram, ela recuou, recuperando um pouco o fôlego e ambos estavam trêmulos.
Ela apenas o olhou nos olhos profundamente, o segurou pela mão e guiando-o, tomou a direção de onde ele acabava de vir.
Agora a chuva vinha em grandes gotas e o mar se agitava.
Caminharam de mãos dadas, lado a lado; os olhares se encontrando e se desfazendo para então fitar o caminho que os levaria de volta até a cabana.
Ela sentia seu coração grande e pequeno, forte e fraco ; e não conseguia respirar. Sua atenção estava nele e na urgência de tê-lo. Subiram os degraus, um a um.
Quando chegaram a varanda, ela tocou o batente da porta em busca da chave que estava escondida onde sempre deixava.
Ao entrarem, ele fechou a porta atrás de si, revelando uma sala à meia-luz e fria. Ele a enlaçou pela cintura, trazendo para junto de si; tocou de leve sua face úmida, seus cabelos estavam grudados em torno de seu rosto e pôde sentir quando a respiração dela ofegou.
Ele a tomou em seus braços... 
                           Anita dos Anjos


§Vem, cupido, soltar-me destes laços
Ou faz de dois semblantes um semblante
Ou divide o meu peito em dois pedaços. §
                                           Alvarenga Peixoto


Na próxima postagem vocês ficarão sabendo o final do Conto: Mar em mim, espero que gostem e por favor deixem comentários sinceros. Obrigado pelo carinho!

sábado, 12 de março de 2011

๑۩Meu primeiro Conto...۩๑

Mar em mim

A chuva caía fina sobre o mar, a brisa levemente fria. E enquanto ela caminhava sentia a areia sob seus , as ondas os tocavam. O ar frio cortava em sua garganta, a chuva lhe cobria os cabelos feito um véu. Lágrimas estavam sobre sua face e encontravam sua boca, podia ouvir o murmurar dos ventos, as ondas contra os rochedos.
Seus pensamentos estavam nele, sentia a solidão, mas enquanto seguia a trilha de espumas deixadas pelas ondas, seus olhos vislumbraram uma visão. Ao longe, em meio a garoa fina alguém vinha em sua direção, passos determinados.
Ela o reconheceu, seu coração disparou, suas pernas fraquejaram, seu corpo entorpeceu. Quando ele a alcançou, seus olhos se encontraram, ele tirou uma mecha dos cabelos molhados da face dela, sua mão deslizou sobre a lágrima que ainda corria e pousou nos lábios frios e entreabertos. Nesse instante seus olhares eram fixos, um entendimento silencioso.
O calor emanava dos dois, seus corpos se colaram suavemente, então seus lábios se tocaram, seus corpos tremiam, houve leveza e urgência quando o beijo se aprofundou. Para ambos só havia aquele momento, todo sofrimento ou solidão deixaram de existir.
          *continua...  

Por Anita dos Anjos



“Há vários motivos para não amar uma pessoa, e um só para amá-la; este prevalece.”
Carlos Drummond de Andrade

Quero agradecer à todas visitas carinhosas, comentários e pedir aos amigos do Blog do Anjo que me dêem suas opiniões quanto ao Conto que comecei a escrever... Sejam sinceros!
Obrigado! Beijo e Bye

quinta-feira, 10 de março de 2011

Soneto da despedida

Sua imagem em mim
Me toca de formas variadas
A me perder num labirinto sem fim
Matando sua fome, me sinto saciada

Não da tua presença irreal
Mas do teu sentimento precioso
Em mim, se tu não existe; existe funeral
Das cinzas do amor, que guardo como tesouro

Não; não habita outro lugar, só meu coração
Partir não é chorar, mas ficar é sofrer
Sofrer perto de você, eu e a solidão
Ver sua face em outra face; e morrer

Perdoe-me por não aceitar!
A dor e a perda, são um só sofrimento
E do que habita em mim, só posso amar
E colher as pétalas do meu sentimento

No seu jardim oculto e castigado
Do que possuí vivo em mim
De tudo e por tudo foi desprezado
Restou mais cinzas, folhas secas e o triste fim.

               Anita dos Anjos (Escrito em 2002)


۩Chama & Fumo۩

“Antes de tudo ele é gosto e graça.
Amor, fogueira linda a arder!
Amor-chama e, depois, fumaça
Porquanto, mal se satisfaça
(Como te poderei dizer?...)
O fumo vem, a chama passa...
A chama queima. O fumo embaça.
Tão triste que é! Mas... Tem que ser...
Amor?... Chama e, depois fumaça.
O fumo vem, a chama passa.”
                        Manuel Bandeira  

                   ♥ ♥ ♥ ♥
   Quanto mais o tempo passa mais me sinto sendo deixada para trás e não há nada em mim que me faça sentir que tudo vai dar certo. Abro meus olhos de manhã e me sinto uma estranha. Uma estranha no mundo!
Eu sou Anita e ainda assim não sei quem eu sou! 

                                Um anjo sem asas...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...